Menu

domingo, 10 de junho de 2012

Lista de alimentos proibidos na gravidez


ALIMENTO
MOTIVO
Atum, salmão, peixe-espada, espadarte...
Os peixes grandes de profundidade acumulam mercúrio metílico, que ingerido em quantidade pela mãe pode prejudicar o desenvolvimento do cérebro e do sistema nervoso do bebê. Não quer dizer que não possa comer este tipo de peixes de vez em quando, mas convém limitar o seu consumo. Prefira o peixe menor.
Quanto ao peixe de rio, também não é muito seguro: pode estar contaminado com alguma bactéria ou agentes químicos.
Queijos moles não pasteurizados
Para evitar o contágio por listeria, evite produtos de origem láctea não pasteurizada, queijos com veio azul, o fiambre, os patês frescos (nos de conserva não há riscos), o salmão fumado (não cozinhado) e os vegetais crus que não tenham sido muito bem lavados ou desinfetados.
Peixe e marisco crus
Reduza os riscos de intoxicação alimentar, evitando peixes e mariscos crus ou mal passados. São especialmente vulneráveis à contaminação por vários tipos de bactérias. Fãs de sushi devem fazer um intervalo. As grávidas devem também evitar o marisco cru, incluindo ostras, amêijoas, etc. O marisco pode ser consumido quando bem cozinhado.
Sumos de fruta não pasteurizados e vegetais crus mal lavados
Estão mais sujeitos a conter germes, tal como acontece com as saladas que não são bem lavadas. Prefira sumos pasteurizados, ou os naturais feitos em casa, com condições de higiene controladas. Desinfete bem os vegetais das saladas, deixando-os de molho com vinagre ou com um desinfetante próprio para alimentos.
Café em excesso
Beber um ou dois cafés por dia não tem contraindicações e até pode ser benéfico para quem tem a tensão arterial demasiado baixa. Isto equivale a 300mg de cafeína por dia, o limite máximo recomendado. Não se esqueça de que o chá, bebidas energéticas, refrigerantes tipo cola também entram nestas contas. O excesso de cafeína aumenta o risco de aborto e de baixo peso à nascença.
Álcool
É mais do que conhecido o seu efeito nefasto sobre o desenvolvimento do bebê. Seja cerveja, vinho ou outras bebidas. Prefira uma dieta com zero por cento de álcool, porque não é conhecido um limite de álcool seguro.
Ovos e carne mal passada
A carne mal passada - seja qual for a sua origem - pode conter bactérias ou vírus, um dos quais aquele que provoca a infecção por toxoplasmose. Por isso, se não está imune, evite bifes em sangue, bife tártaro ou outros pratos em que a carne não tenha sido bem passada.
O mesmo acontece com os ovos. Não os consuma com a gema ainda líquida. Sabe muito bem, mas faça um intervalo nesse pequeno prazer. São só alguns meses. De igual forma, evite preparados que contenham ovos crus ou mal passados ¿ é o caso da maionese e outros molhos e de algumas sobremesas.
Adoçante
Se for saudável e costuma usar adoçante, considere a hipótese de substituir por açúcar. Substâncias como sacarina e ciclamato, presentes em alguns adoçantes, são apontadas como potencialmente cancerígenas e associadas a malformações no bebê. Apesar de não haver ainda estudos suficientes para indicar qual a quantidade que será segura ingerir de forma a não prejudicar o bebê, é sempre melhor prevenir.
Quanto aos adoçantes à base de aspartame, não estão associados a complicações e poderão ser a melhor opção para grávidas com diabetes. Para quem é saudável, o melhor mesmo é fazer uma dieta equilibrada e variada, onde o açúcar pode entrar com moderação.
Amendoins
Dependendo do histórico clínico familiar, o seu bebê terá mais ou menos probabilidades de desenvolver alergias. Mas a forma como se introduzem os alimentos e se fazem os primeiros contactos com as substâncias também terão relevância. Se evitar, durante a gravidez, os alimentos com mais potencial alérgico, estará a reduzir as hipóteses de o seu bebê desenvolver mais tarde alergias. Por isso, no caso de haver caso de alergias a amendoim na família, evite este alimento durante a gravidez e a amamentação. Caso contrário, não precisa ter esta preocupação.
Shiny Red Spinning Heart